Dia das mães: receita de frango ao molho pardo e de vida com Dona Haydeé

Mãe é colo, é carinho, é força, é amor e é um sem fim de sentimentos. É nela que a gente se aninha, confia e é sempre criança. As mães da gente sempre se referem a nós como “os meninos” independente da idade que tenhamos, porque prá elas a gente nunca cresce e é exatamente por isso que nos cuidam com tanto amor e dedicação. Mãe é cheiro. Um cheiro inconfundível de colo, de cama quentinha, de bolo com café, de infância, de comida pronta no fogão quando ela gritava: “Vem, menina! O cumê tá pronto!”. Cheiro da mãe da gente, a gente não confunde.  Pensando em tudo isso, nesse cheiro, nesse amor e no dia das Mães que se aproxima como uma data não menos especial, mas tão diferente esse ano, fomos em busca de cheiro de amor e comida boa pela nossa região do Circuito da Grutas, mesmo à distância.

Conversei durante quase uma hora com Dona Haydeé de 93 anos e pura simpatia. Uma delícia de prosa que podia durar um dia inteiro à beira do fogão. Dona Haydeé é proprietária do Restaurante Chero’s, que fica logo na entrada da Gruta do Maquiné em Cordisburgo. Ela me conta que comanda o restaurante desde 1966 com muito amor e que foi através dele e da vida de professora, que criou seus filhos e netos.

Dona Haydeé me fala que tem oito filhos: cinco homens e três mulheres. A caçula Riza será sua substituta no Restaurante e o mais velho de 72 anos, mora em Belo Horizonte. Resultado de todo esse amor são 27 netos e 23 bisnetos. Mãe, avó, bisavó. Cheia de amor, cheiros e carinhos.

Montar o restaurante há 53 anos foi convite de um amigo da família que era o então proprietário das terras onde está localizada a Gruta do Maquiné. O convite foi feito para o seu marido, Geraldo Viana, mais conhecido como Chero – apelido que o marido carregava desde a infância e ela me conta o motivo, envolta em risadas e belas lembranças. Cheia de orgulho, diz que a cozinha do restaurante é comandada por ela e que, provaram e aprovaram seu menu muitos anônimos vindos das diversas cidades do Brasil e da região, como grupos de escolas (que ela faz questão de me falar os nomes de algumas e de onde elas vem) e famosos como Lima Duarte – seu grande amigo, Luciano Huck – humilde e de tratamento simpático com ela e também Pedro Bial – admirador de Guimarães Rosa e frequentador assíduo do seu restaurante sempre que vai a Cordisburgo, chegando a almoçar por lá uma semana ininterrupta. 

Dona Haydeé me diz sobre o orgulho de ser membro fundador da Academia de Letras João Guimarães Rosa de Cordisburgo e vice Presidente da Banda de Música da cidade. A destreza com a língua portuguesa em sua perfeita dicção e português corretíssimo, percebo de onde vem, quando me conta que lecionou durante 25 anos na cidade. Somente após se aposentar é que foi se juntar definitivamente ao marido no restaurante e comandar a cozinha. Ela nos enche de orgulho em podermos dividir com ela a presença nos caminhos do Circuito das Grutas. Da cozinha, me fala sobre a tradição de seu único menu: Feijão tropeiro com torresmo sequinho, salada mista, arroz branco e frango a molho pardo (que pode ser substituído por filé ou frango frito). A sobremesa é receita de família, aprendida com a mãe Cezarina, quando ainda morava na sua cidade natal de Conceição do Mato Dentro – MG.

Rimos e conversamos muito sobre maternidade, independência, ancestralidade, destino, coincidências e amor. Marquei com Dona Haydeé de ir ao Restaurante Chero’s assim que esse isolamento passar, o problema se resolver e ela o reabrir. Ela me pediu para anotar seu telefone pessoal, que me falou de cor, já que o que eu fiz contato era o do restaurante. “Assim você me encontra com mais facilidade.” Antes de nos despedirmos, dividiu comigo a receita do Frango a Molho Pardo, que ela costuma fazer de 15 a 20 unidades aos finais de semana, no restaurante.  Anote a receita que ainda é possível fazê-la para o Dia das Mães:
Frango ao Molho Pardo
INGREDIENTES:  – 01 frango caipira limpo, picado sem pele
– Alho, sal a gosto
– Suco de 01 limão
– 2,5 copos (tipo americano) de óleo + 2 colheres
– sangue do frango assim que abate – 01 colher de vinagre – 02 cebolas cortadas em cubo – cheiro verde COMO FAZER: 1. Assim que abater o frango, colocar 01 colher de vinagre no fundo de uma vasilha e colocar o sangue para não coalhar. 2. Temperar o frango com alho, sal, limão  e deixar descansar por uma hora.
3. Colocar o frango em uma panela e deixar ferventar por 20 minutos, mexendo bem para não grudar no fundo da panela.
4. Em outra panela aquecer o óleo e fritar os pedaços de frango já ferventados até que fiquem dourados.
5. Quando estiver tudo frito, refogar em uma panela onde já fritou a cebola picada em cubos. Colocar um pouquinho de água e em seguida colocar o sangue. Deixar ferver, desligar o fogo, colocar cheiro verde e servir. “ Desligamos o telefone com a empolgação e expectativa de novos encontros. Dona Haydeé tem cheiro de mãe, mesmo de longe. E é através dessa história que homenageamos todas as mães do Circuito das Grutas e do mundo. Desejamos que este dia, por mais diferente que seja – e talvez distante – venha com sabor e cheiro de amor, colo e carinho. Agradecemos à filha Riza e à neta Haydeé pelas fotografias, à Raquel – Secretária de Turismo de Cordisburgo – que intermediou esse encontro e ao destino que nos proporcionou esse (re) encontro*.
por Narly Simões
* durante a conversa descobrimos que Dona Haydeé é prima de primeiro grau do meu avô paterno e madrinha do meu tio. Desses deliciosos (re)encontros que o destino nos proporciona Circuitando por aí…