A doce e eterna Tia Tereza e suas receitas

Dona Tereza era doce. Não só na sua culinária, mas especialmente na vida.

Dona Tereza era doce. Não só na sua culinária, mas especialmente na vida.   Era tão doce e de um carinho tão próximo e singelo ,que era mais que uma moradora de Baldim, ela fazia parte da família de cada um, mudou para o status de Tia de toda cidade e de quem se aproximasse dela.   Sua doçura ultrapassou os sentimentos e entrou na casa de cada um de nós. Tia Tereza transformava amor em alimento, transformava sentimentos em compotas, simplicidade em potinhos mágicos de doces de frutas.   Aos 89 anos, Tia Tereza nos deixou sábado, mas sua culinária e sua história, assim como o sorriso, a fala mansa e a disposição em ensinar suas alquimias na cozinha, serão eternas lembranças em todos nós.   A história da sua vida, se confunde com a história de Baldim, hoje a Cidade do Doce. Ela aprendeu a fazer doces no tacho de cobre ainda criança com sua mãe e levou o ofício para a vida de casada, quando em 1963 se casou e foi morar com o marido em uma fazenda da região. Quando, anos depois retornou para a cidade, passou a ter os doces como sua principal fonte de renda. Na década de 80 Tia Tereza enviuvou-se, mas nem de longe, ela que não teve filhos, ficou sozinha. Era cuidada e querida pelos sobrinhos e por todos da cidade e na mesma proporção cuidava e queria bem a todos. Continuou fazendo seus doces de maneira artesanal, no fogão à lenha, com cuidado, nos tachos de cobre e com seu principal ingrediente, que nunca faltava em nenhuma de suas receitas: o amor.   Os doces de frutas eram sua especialidade. Demandavam tempo, paciência, serenidade e todo um ritual até que ficassem prontos. O Doce de Leite era outro especial, que exigia o ponto certo. Equilíbrio. Tia Tereza era equilíbrio e tranquilidade. E ela compartilhava…   Suas receitas, reconhecidas como Patrimônio Imaterial do Município de Baldim, eram compartilhadas com todo carinho e sem segredos, como se tivesse a certeza que quanto mais pessoas soubessem o seu ofício maior seria a possibilidade que eles se perpetuassem. Jamais nos esqueceremos dela alí na tenda da Festa do Doce em 2018, ensinando a fazer doce de mamão e de leite a quem chegasse, com toda a sua serenidade e disposição que todos saíssem de lá sabendo.   Tia Tereza foi uma doce história que não esqueceremos jamais. Hoje a imaginamos lá, talvez sentadinha numa ponta de nuvem, olhando por Baldim e por todos nós do Circuito das Grutas, com amor e doçura, tendo a certeza que será lembrada todas a vezes que seus doces e histórias forem compartilhados por nós.   Dividimos com todos uma de suas muitas receitas doces e carinhosas.   Doce de leite com coco Ingredientes: 10 l de leite 1 ½ de açúcar 02 cocos ralado Modo de fazer No tacho (ou panela) colocar o açúcar no leite e coar, acrescentar o cocô ralado. Depois leva ao fogo brando, mexer sempre até o ponto espelhado, (quando o doce estiver bastante cremoso e incorporado). Despejar na vasilha e colocar na água fria para esfriar, assim evita o doce de leite escurecer.   Doce de mamão em pedaços   Ingredientes: 03 kg de mamão verde 03 kg de açúcar Pacote pequeno de cravo   Modo de fazer Esfregar bem sal no mamão inteiro, depois lavar bem, tirar as sementes e cortar no tamanho desejado. Colocar para cozinhar, deixe esfriar bem na mesma água que cozinhou. Depois escorrer a água. Colocar água novamente, esquentar e escorrer. Repetir este processo três vezes. Calda Derreter o açúcar na água e tirar a espuma, até o ponto espelhado (viscoso, incorporado). Deixe o mamão esfriar, depois colocar na calda quente. Acrescente o cravo. Colocar na vasilha para esfriar.  

por Narly Simões

   

Powered by themekiller.com