Quitandas de Minas – receitas de amor e tradição

QUITANDA – Palavra originária do dialeto africano Quimbundo, Kitanda significa “o tabuleiro em que se expõem as mercadorias diversas de vendedores ambulantes ou de rua” . Eram nesses tabuleiros que as negras africanas levavam coisas de comer para vender na cidade. Com o passar do tempo, com os tabuleiros reunidos, a Quitanda também se tornou referência de pequenas feiras e mercadinhos.

Mas para nós, aqui de Minas, Quitanda é tudo aquilo que a gente come com café. Ultrapassamos a designação histórica, colocamos um fermento e transformamos em sinônimo de hospitalidade de nossa gente.

Aqui pelo Circuito das Grutas, como em toda Minas Gerais, é ao redor da mesa que a vida acontece. É em volta da mesa, no café da manhã, no cair da tarde, bem à noitinha lá prá depois da janta, que a gente sempre encontra espaço e motivo pr’um café com bolo, com pão de queijo, com broa ou com qualquer outra quitanda.

Circuitando por aí! a gente se encanta com as quitandas e quitandeiras de mesa farta. São receitas que trazem milho, ovos, mandioca, queijo… tudo carimbado com os fornos à lenha, grandes tabuleiros e amassados nas gamelas de madeira. Não há um morador dos municípios que compõem o Circuito das Grutas que não tem uma história de quitanda prá contar. Da mãe, da avó, da tia… da meninada reunida em casa no dia de fazer quitanda e encher as latas, esperando o bolo esfriar. Porque sim, havia o dia certo de fazer quitanda e encher as latas que eram distribuídas para toda a família.

Ultrapassando a mesa familiar, sempre tinha aquela vizinha que fazia por encomenda, que perfumava a rua quando a gente passava numa tarde calma e tranquila, olhava para a casa dela e via uma fatia à venda na janela. São lembranças de um passado que a gente até pensa que não existe mais. Mas por aqui ele existe e continua cheio de perfume, histórias, carinho e hospitalidade.

Se você chegar em qualquer um dos municípios aqui do Circuito e perguntar, ali pro moço da mercearia mesmo, onde você encontra quitanda para comprar, ele vai te indicar sem esforço, uma, duas, três ou muitas quitandeiras você pode ir até a casa delas encontrar. E por enquanto não há aplicativo digital que te ajude nessa busca, a não ser mesmo uma boa prosa pela cidade ou um olhar atento às janelas. É uma viagem gastronômica que mistura afeto, tradição e tranquilidade.

É assim que a vida por aqui acontece. Ao redor da mesa, de um bom papo, do forno, com uma caneca de café, uma quitanda, muito afeto e um sabor inigualável de ingredientes únicos que guardam segredos de amor e tradição.

Ainda temos muito o que contar. Vamos dividir aqui no blog, muitas histórias de quitandeiras e receitas de família, Circuitando por ai!.

Mas hoje, te convidamos a reunir com quem está em casa com você, separar os ingredientes e no sábado começar a magia. Prepare as quitandas e enquanto você amassa, misture sentimentos e lembranças para depois colocar tudo à mesa – porque numa mesa com uma boa quitanda vai muito mais que alimento para o corpo. É a alma que a gente alimenta ali. Coe um café cheiroso, parta um pedaço de queijo, espalhe as quitandas, sentem-se e aproveitem o momento.

É deles, momentos e histórias, que nossa vida realmente é feita!

BOLO DE FUBÁ

  • INGREDIENTES: 3 ovos inteiros, 2 xícaras (chá) de açúcar, 2 xícaras (chá) de fubá, 3 colheres (sopa) de farinha de trigo, 1/2 copo (americano) de óleo, 1 copo (americano) de leite, 1 colher (sopa) de fermento em pó

MODO DE FAZER: Em um liquidificador, adicione os ovos, o açúcar, o fubá, a farinha de trigo, o óleo, o leite e o fermento, depois bata até a massa ficar lisa e homogênea. Despeje a massa em uma forma untada e polvilhada. Leve para assar em forno médio 180 °C preaquecido por 40 minutos.

ROSCA DA RAINHA

INGREDIENTES: 5 ovos, 1 lata de leite condensado, a mesma medida de água e de óleo, 40 g de fermento biológico, 1 kg de farinha de trigo, 5 colheres de sopa de açúcar

MODO DE FAZER: Misture em uma bacia o fermento, o açúcar e 2 colheres de sopa de água, misture tudo até que o fermento esteja totalmente dissolvido. Enquanto o fermento descansa, bata no liquidificador os demais ingredientes líquidos por aproximadamente 5 minutos. Misture os ingredientes ao fermento e acrescente a farinha de trigo aos poucos, amasse até soltar da bacia, se necessário acrescente mais farinha ou unte a mão com óleo na hora de sovar. Quando a massa soltar da bacia, enrole em pedaços trançados deixe descansar por uns 30 minutos. Depois pincele gema de ovo e leve ao forno, em temperatura aproximada 180° a 200°. Quando retirar do forno, pincele manteiga e salpique açúcar.

DICA: Quando terminar de enrolar as roscas faça uma pequena bolinha e coloque em um copo cheio de água, quando a bola subir as roscas estão prontas para serem assadas.

Por Narly Simões

Powered by themekiller.com