Traíra sem espinha – Sabor e tradição em Sete Lagoas

Sete Lagoas abriga a Gruta Rei do Mato, com seus belíssimos salões que podem ser visitados em 220 metros permitidos à visitação dos 998 metros de extensão da Gruta. Uma viagem ao tempo! Beleza de se ver e se encantar! 

Mas a cidade também guarda outros segredos e tradições que nos fazem voltar num tempo mais recente, mas que nos trazem lembranças de sabor com afeto. Um deles, é a Traíra sem Espinha, uma das tantas histórias de tradição do Circuito das Grutas.

Quem nos conta sobre os mais de 30 anos de história do Bar que recebe clientes de longe em busca da iguaria, é Rafael, hoje um dos três sócios que seguem a tradição da família no comando do bar. 

Ele nos conta que, conhecido por muitos como Traíra sem Espinha, o tradicional comércio foi fundado em 1990 por seu pai, Raimundo Luiz Rodrigues e seu avô materno José Antônio, também conhecido por Zé Da Ena. Era um pequeno comércio que foi batizado pela junção dos nomes dos proprietários: Razena (“Ra”de Raimundo e “Zena” de Zé da Ena).

No início era uma mistura de bar e mercearia em que se vendia “de agulha a avião”: brinquedos, material escolar, material de construção, mantimentos a granel, pipas, brinquedos… lá era possível encontrar de tudo um pouco. Raimundo que sempre gostou da cozinha, fazia bolos e fatias para vender, além daqueles tira-gostos de boteco impossíveis de comer uma vez só.
 
Rafael conta que seu pai sempre foi um grande apreciador de peixes de água dobe e aprendeu a difícil técnica de retirar a espinha da traíra. Para acompanhar, criou o famoso molho de alho especial, cheio de detalhes e segredos culinários.
A traíra foi aos poucos caindo no gosto dos clientes e aquele pequeno comercio ficou realmente pequeno. O local se transformou em ponto de encontro de várias turmas, como motociclistas, que saem de longe para apreciar o prato.
 
No ano de 2002 foi preciso mudar o estabelecimento para um lugar maior e mais arejado e o sucesso da Traíra sem Espinha, que se transformou no prato principal, foi tão grande que a então mercearia acabou por se transformar em um bar e restaurante. 

Quando pergunto pelo Sr Raimundo, Rafael me conta que atualmente quem toca o comércio é ele, seu irmão Leonardo e sua irmã Natália pois o pai, que vai de forma mais espaçada ao bar, passou a eles os segredos culinários para que sigam preservando o Razena, mas prefere a roça e a pescaria. 

A Traíra sem Espinha do Razena, assim como os outros peixes de água doce servidos na casa, são daqueles pratos com sabor de história, tradição e de comida mineira bem feita, bem cuidada com carinho e afeto que valem a pena a visita.

O bar fica no Bairro Santa Helena em Sete Lagoas, na Rua Cel José Pereira Rocha 335.

 

* Devido às regras e orientações de isolamento social atual, o atendimento está ocorrendo somente via delivery. 

Por Narly Simões