Cozinha Mineira – os sabores e delícias do Circuito das Grutas

Foto: Mariela Janice

A cozinha mineira é única. Por uma complexidade de motivos mas ao mesmo tempo e principalmente pela sua simplicidade. A cozinha mineira tem sabor de infância, cheiro de histórias, alquimia de vó mesmo que seja somente na lembrança da gente. Por aqui, nossos melhores e maiores encontros e acontecimentos são sempre em volta da mesa. É em volta da mesa que a magia acontece. Um café coado e um pão de queijo se transforma em um saboroso bate papo. Um frango com quiabo e angu pode ser um almoço onde negócios são fechados, assuntos de família resolvidos ou gargalhadas sem fim alegram o restante do dia.

É café, é aperitivo, é almoço, lanche da tarde, janta e no meio disso tudo tira-gosto e aquela cachacinha que só aqui em Minas tem. E o que é muito bom, ainda vai ficar melhor!

No último mês a Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais lançou o Plano Estadual da Cozinha Mineira (2021-2024), um grande passo para, entre muitas outras propostas, reconhecer a cozinha mineira como Patrimônio Cultural Imaterial.

E é um reconhecimento mais do que legítimo e merecido. Circuitando por aí!, pela região do Circuito das Grutas é possível comprovar na ponta do garfo como nossa cozinha é rica e farta. Não só de sabores e aromas. É rica e farta de cultura, de singularidade, de afeto, de cuidado… tudo aquilo que alimenta o corpo e a alma a gente encontra pelos fundos dos quintais, nas cozinhas à beira do fogão ou de um bom e velho alambique.

Só para dar um gostinho das receitas e histórias da nossa cozinha que temos pelo Circuito das Grutas, conseguimos fazer um rápido tour pelas nossas histórias e sabores. Rápido porque cada dia, cada lugar, cada encontro é uma grande e saborosa descoberta de novas receitas e novas formas de fazer, então, além de tudo o que vamos falar aqui ainda temos um sem fim de sabores. O Circuito das Grutas muito em breve lançará dois roteiros que tem como principal motivação a cozinha da nossa região.

Mas enquanto isso, podemos relembrar algumas delícias da nossa cozinha e dos nossos papos sobre e por ela que já tivemos por aqui.

Dona Haydeé proprietária do restaurante Chero’s em Cordisburgo nos falou de como criou sua família em volta do fogão à lenha onde cozinha e comanda a cozinha a quase seis décadas. O menu único e de sucesso do seu restaurante é o Frango a Molho Pardo que vem acompanhado de iguarias que só de pensar nos faz salivar: Feijão tropeiro com torresmo sequinho, salada mista e arroz branco. Clique aqui e conheça a receita dessa maravilha de Frango ao Molho Pardo.

Já em Jequitibá, ninguém menos que o Cansanção (uma PANC – Plantas Alimentícias Não Convencionais – deliciosa de se experimentar!) é mais um acompanhamento perfeito para o frango com feijão, arroz e angu. Daqueles pratos de se comer rezando e que não falta no Festival de Folclore de Jequitibá. A receita do Frango com Cansanção você encontra acessando aqui.

Tradição, história, perseverança e receitas de família nos fizeram suspirar quando fomos conhecer o Bar do Adelso em Pedro Leopoldo, conversando com o Flávio que segue com maestria o legado deixado pelo avô.

O cardápio de lá é tão maravilhoso que é preciso ir várias vezes até experimentar tudo e voltar para comer de novo os preferidos. Entre os preferidos, o Bar do Adelso serve uma delícia de Tulipinha de Frango na brasa com Ketchup de Goiaba picante que é de comer rezando.

Clique aqui e acesse essa receita deliciosa.

Sim, O FRANGO é um ingrediente muito presente na cozinha do Circuito das Grutas e quando a gente pensa que não tem como ser diferente ele vem com os mais inusitados acompanhamentos

Saindo do almoço e chegando na sobremesa

As Irmãs Argentinas e todas as doceiras da Rota das Doceiras da Lapinha, em Lagoa Santa, adoçam a nossa vida e nossa alma.

Doce. Esse é que não falta por aqui. Não há um fim de almoço que não venha acompanhado de um docinho, daqueles feitos com tempo e afeto. Fruta colhida no pé, curada no tacho, água trocada para não amargar, cozinhando em fogo baixo, mexido e remexido pelo tempo certo do afeto.

Saindo de Belo Horizonte a gente começa em Lagoa Santa mas segue, em todas as cidades, encontrando doces e quitandas que nos enchem os olhos, o coração, o estômago e a alma.

A cozinha do Circuito das Grutas é assim. Aquela cozinha mineira que nos acolhe, nos acaricia, nos leva a caminhos leves e distantes da memória.

Porque é isso, quando a gente sai por essas Minas Gerais para passear, visitar e conhecer destinos, a gente traz muito mais que fotos e lembranças. A gente traz com o sabor, o gosto gostoso de cada cozinha que passamos por ela, que nos levou a lugares de afeto da nossa mente, com o sal, o doce e o amor no ponto certo.

Por Narly Simões